Turismo Religioso

“O Turismo Religioso configura-se pelas atividades turísticas decorrentes da busca espiritual e da prática religiosa em espaços e eventos relacionados às religiões institucionalizadas”. (Ministério do Turismo)


Locais de Peregrinação

A realização de visitas a locais que expressam sentimentos místicos ou suscitam a fé, a esperança e a caridade nos fiéis, denomina-se Turismo Religioso.
Dentro dessa segmentação do turismo é necessário ressaltar as seguintes especificidades técnicas, que devem ser observadas em trabalhos promocionais, calendários de eventos e outros recursos de divulgação e de sistematização:
• Quando alguém, por livre disposição e sem pretender recompensas materiais ou espirituais, viaja a lugares sagrados, o conjunto de atividades denomina-se romaria .
• Quando alguém visita lugares sagrados para cumprir promessas ou votos anteriormente feitos a divindades ou a espíritos bem-aventurados, o conjunto de atividades chama-se peregrinação .
• Quando alguém, empenhado em remir-se de suas culpas ou de seus pecados, de forma livre e espontânea ou por conselho ou disposição de líderes religiosos, se dirige a lugares sagrados ou a outros lugares, em espírito de arrependimento e compunção, o conjunto de atividades é designado como viagem de penitência ou viagem de reparação.


Histórico

Nos séculos III e IV da Era Cristã, os fiéis começaram a cultivar o hábito de viagens de caráter religioso a eremitérios, mosteiros e conventos da Síria, do Egito e de Belém, a fim de encontrar-se com os "servos de Deus", para pedir-lhes conselhos, orações, bênçãos e curas. Também foi o início da longa série de visitas a igrejas e santuários em cujos terrenos encontravam-se os restos mortais de mártires célebres e aos locais por onde Cristo, seus apóstolos e discípulos passaram, viveram e morreram, além de outros lugares celebrizados por eventos importantes do Antigo Testamento.
Há registro de um roteiro datado do ano 333, com itinerário bem detalhado para as viagens de devotos e fiéis que partiram de Bordéus, na França, rumo a Jerusalém. Suas indicações assemelham-se às utilizadas nos modernos roteiros técnicos.
Atualmente, a história se repete e multiplicam-se receptivos, à medida que surgem boatos ou fatos de aparições de seres celestiais ou de realizações de milagres e curas efetuados por algum religioso ou místico. As notícias, o marketing direto ou indireto e as ações de promotores e comerciantes instalados nas microrregiões ou nos locais onde acontecem os "feitos extraordinários" acionam os agentes turísticos, que em geral, se antecipam a qualquer medida ou manifestação de autoridades religiosas.
Vale notar que, desde o Edito de Milão, em 313, Roma tornou-se o mais importante receptivo turístico no Ocidente, onde até hoje, há fluxo de maior volume e de maior constância de turistas e de visitantes do mundo inteiro, independentemente dos aspectos religiosos.
Meca, Benarés, Jerusalém, Belém, Roma, Santiago de Compostela, Lourdes, Fátima, Medjugorie, Assis, Aparecida do Norte, Juazeiro, Iguape, Pirapora do Bom Jesus, Nova Trento e muitos outros lugares, marcados por devoções oficiais ou populares de religiões, são núcleos receptores importantes em termos da fé e, conseqüentemente, em termos de turismo, cujas dimensões - pela propaganda e pelo marketing - superam as manifestações de fé e as próprias motivações religiosas. 


No Paraná há muitos anos se pratica o Turismo Religioso, sendo que destes lugares, os mais tradicionais são:


Parque Estadual do Monge - Gruta do Monge – Lapa
O parque foi criado pela Lei nº 4170, de 1960, e pelo decreto nº 8575, de 1962. Possui uma área de 55 ha. Com significativa vegetação, além de quedas d'água, e uma fonte considerada milagrosa, é equipado com canchas de voleibol, churrasqueiras, lanchonete, restaurante, e instalações sanitárias.
Sua principal atração é a Gruta do Monge, que motiva grande número de fiéis e visitantes, movidos pelos fenômenos extraordinários evidenciados pelo poder da fé. A gruta teria sido abrigo do ermitão João Maria D'Agostinis, que se dedicou ao estudo das plantas da região, fazendo orações públicas e medicando enfermos. Possuía olhar manso, estrutura baixa, rosto magro, vestia hábito franciscano sobre o qual caíam longos cabelos, barba grisalha, e repartia com seus semelhantes o único bem que possuía - a fé. O acesso ao parque se dá por rodovia pavimentada em um percurso de 3,5 km, de onde se descortinam paisagens característica do Paraná, com muitas araucárias. No alto da elevação, quase na entrada do Parque está a estátua de Cristo abençoando a cidade.
Home-page: www.lapa.pr.gov.br
E-mail: cedet@brturbo.com.br

Gruta de Santa Emília – Barracão
Conta a história, que há aproximadamente 60 anos, um caçador andando pelas redondezas caiu em um despenhadeiro. Quando recobrou a consciência observou que estava diante de uma gruta com uma enorme estalactite em forma de santa. Muito machucado invocou à Santa Emília a qual era devoto, para que se sobrevivesse aos ferimentos, mandava construir uma capela no local. Após lavar-se com a água que gotejava da estalactite, sentiu-se prontamente recuperado. A notícia do milagre espalhou-se por toda a região e a partir desta data inúmeros romeiros começaram a buscar as águas milagrosas de Santa Emília, passando por um caminho difícil e sinuoso para chegar até a gruta.
A origem e a verdadeira história de Santa Emília, não era conhecida pelos devotos até fevereiro de 1999, quando foi localizado pela internet, um site com informações sobre a Congregação da Sagrada Família, localizada em Pernambuco, que desconhecia as "águas milagrosas" de Santa Emília, bem como a devoção a referida Santa no Sul do Brasil. O santuário das águas milagrosas de Santa Emília, situa-se na comunidade de Siqueira Bello, distante 25 km do centro de Barracão.
Home-page: www.barracao.pr.gov.br
E-mail: turismo@barracao.pr.gov.br

Igreja Matriz de Nossa Senhora Aparecida – Tomazina
Guarda uma reconstrução do corpo de Santo Inocêncio, jovem cristão de Roma que viveu no século III da Era Cristã. Firme em sua fé enfrentou a fúria das perseguições dos Imperadores Romanos sendo decapitado. Os cristãos então recolheram seu sangue num vaso de vidro, que colocaram junto ao seu corpo nas Catacumbas de São Calixto, onde foram sepultados os primeiros cristãos.
Em 1883 suas relíquias foram doadas ao Bispo de Adria, que as doou aos padres Capuchinhos de Lendinara. Ali seus restos mortais (crânio e ossos) foram compostos em um corpo artificial, sendo o crânio revestido por uma artística máscara de cera, por Frei Paulo Peruzzo. Santo Inocêncio foi venerado na Igreja dos Capuchinhos em Lendinara até 1975 quando os Freis da Paróquia de Tomazina, conseguiram trazê-lo ao município, onde chegou numa memorável apoteose religiosa no dia 9 de novembro de 1975. E desde esse dia, Santo Inocêncio transformou a Matriz de Tomazina num piedoso Santuário muito visitado, onde se pedem, através de sua intercessão, graças e favores.
Seus restos mortais, tais como vieram da Itália, são conservados numa artística urna oferecida pela população local, que o adotou como Santo Concidadão e Patrono. A Igreja localiza-se na Praça Tenente João José Ribeiro, 136
Informações: Telefax: (43) 3563-1118

Mosteiro Trapista - Campo do Tenente
É o único Mosteiro brasileiro da Ordem Cisterciense Trapista, cujas origens remontam ao século XI, na França.
A vida Trapista é orientada totalmente para a experiência do Deus vivo. É contemplativa. Chamado por Deus, o Trapista se consagra integralmente a buscá-lo seguindo a Cristo, sob a Regra de São Bento, um Abade (ou Prior) e em comunidade estável, na caridade fraterna, na qual são compartilhados todos os bens.
Afastado do mundo, o Trapista purifica seu coração mediante a Palavra de Deus, a oração e uma ascese libertadora que o fazem humilde e obediente à semelhança de Cristo.
A comunidade se sustenta por seu próprio trabalho com apicultura, agricultura e padaria (produção de bolo de frutas, pão e biscoito), além de livros, terços, etc.
No bonito conjunto arquitetônico, em meio a bosques e jardins, destaca-se a Capela em forma de pirâmide dedicada a Nossa Senhora do Novo Mundo, de autoria do arquiteto Miguel Roguski, onde os visitantes têm a oportunidade de assistir missa dominical (10h).
O Mosteiro dispõe ainda de uma hospedaria aberta a todos (desde que as reservas sejam feitas com antecedência, não ultrapassando quatro meses) que queiram fazer retiro espiritual, compartilhando com os monges suas orações e liturgias. Localiza-se na Rodovia BR 427, distando 30 km da Lapa logo após o Rio da Várzea. Tel. (41) 3628-1264.
Home-page: www.mosteirotrapista.org.br
E-mail: mosteirobrasil@netpar.com.br

Santuário de Santa Rita de Cássia - Lunardelli
No ano de 1963, dona Maria Pinto Momente doa a imagem de Santa Rita de Cássia para a futura paróquia de Lunardelli. No dia 04 de junho de 1993, toma posse o Padre João Maria da Rocha Santana, que celebrou a primeira novena em honra à Santa no dia 22 de janeiro de 1994. Conhecida como a Santa dos desesperados e das causas impossíveis, atualmente a novena atrai fiéis das várias paróquias do Decanto Sul e da Diocese de Apucarana.
No dia 22 de maio de 1995, o Senhor Bispo Dom Domingos Gabriel Wisniewski presidiu a celebração dos 25 anos de existência da Paróquia Santa Rita de Cássia inaugurando a Gruta dedicada à Santa, um dos lugares do Paraná, mais visitados por devotos e romeiros.
Home-page: www.lunardelli.pr.gov.br
E-mail: radio_educadora@yahoo.com.br


FESTAS RELIGIOSAS TRADICIONAIS

Festa de Santa Rita de Cássia - Lunardelli
O dia da padroeira de Lunardelli é comemorado no dia 22 de maio, numa celebração que atrai fiéis de várias paróquias do estado que vão em busca de soluções para seus problemas através da fé, em diversas atividades festivas e religiosas.
Além da festa comemora-se todo dia 22 de cada mês a novena da Santa. As primeiras novenas foram somente a nível paroquial, atualmente esta celebração atrai fiéis de várias partes do Estado.
Home-page: www.lunardelli.pr.gov.br
E-mail: radio_educadora@yahoo.com.br

Corpus Christi
Realizando-se em data móvel (aproximadamente 60 dias após a Páscoa) a Procissão de Corpus Christi é uma manifestação popular que se desenvolve em muitas cidades paralelamente à liturgia católica, onde a criatividade artística do povo e o seu zelo religioso, evidenciam-se a cada ano. Os motivos dos tapetes se repetem em quase todas as cidades. São cálices, hóstias, missais, figuras de Jesus e do Espírito Santo, cordeiros, cruzes, espigas de trigo e cachos de uva. Os materiais usados são: papel colorido, dourado e prateado, tampinhas de garrafas, serragem, café usado, trigo, pétalas de flores, cal, erva-mate, palha de arroz, etc, havendo variações, de acordo com os produtos de cada região.

Festa de Santa Pastorina (Santinha) – Tibagi
A devoção à Santinha remonta ao ano de 1900, atraindo hoje milhares de fiéis para pedir e agradecer graças. Conta a tradição que as pessoas que não têm fé não conseguem enxergá-la no altar. Paralelamente ocorrem procissão e festejos populares com gastronomia típica, churrascada e barracas com várias outras atrações. Realiza-se na localidade de Campina Alta, no mês de julho.
Home-page: www.tibagi.pr.gov.br
E-mail: sematur@tibagi.pr.gov.br

Festa do Padroeiro Senhor Bom Jesus da Pedra Fria – Jaguariaíva

A tradição da festa tem sua origem com a devoção portuguesa do século XIX e herdada pelo município. Os festejos iniciam-se com novenas e culminam no dia 06 de agosto com variada programação: missas, romaria tropeira, quermesse, leilões, sorteio de carro, shows musicais, bingos e tradicional baile.
Telefax: (43) 3535-2180

Festa do Senhor Bom Jesus da Cana Verde - Siqueira Campos
Em agosto realiza-se uma das maiores e mais tradicionais festas religiosas do Estado, que homenageia o Senhor Bom Jesus, venerado no município há mais de setenta anos, desde a chegada da imagem de madeira esculpida por Aleijadinho há aproximadamente dois séculos. São realizadas diversas programações religiosas e populares, que atraem milhares de romeiros de todo o Brasil. Ocorre no Santuário do Senhor Bom Jesus da Cana Verde.
Home-page: www.siqueiracampos.pr.gov.br

Festa de Nossa Senhora do Pilar – Antonina
Realizada no dia 15 de agosto em Antonina, a comemoração atrai devotos e turistas que iniciam seu itinerário visitando a Igreja Matriz de Nossa Senhora do Pilar construída no século XVIII, no alto de um outeiro, onde se descortina a baía de Antonina. Precedida de novenas, que movimentam a população local, procissão e espetáculo pirotécnico.
Home-page: www.antonina.pr.gov.br
E-mail: turismo.antonina@ibest.com.br

Festa de Nossa Senhora do Porto - Morretes

No século XVIII, a população de Morretes se ressente da falta de uma igreja para suas práticas religiosas. Aos 15 de junho de 1769, o povo obtém licença do Papa, para a construção de uma Capela sob a invocação de Nossa Senhora do Porto. Desde então, a festa se realiza no dia 8 de Setembro, sendo precedia por novenas com missas, procissão e festejos populares, com barraquinhas, onde é servido o tradicional barreado.
Telefax: (41) 3462-1024
Home-page: www.morretes.pr.gov.br
E-mail: turismo@morretes.pr.gov.br

Festa de Nossa Senhora do Rocio - Paranaguá
Atração religiosa e turística. Conta a lenda que a imagem da Santa foi encontrada por pescadores. Antonio Vieira dos Santos (1850) escreve, na "Memória Histórica de Paranaguá", sobre a construção da Capela de Nossa Senhora do Rocio. Referindo-se à Santa, calcula-se que a esse tempo ela já era venerada há mais de um século. Realiza-se a festa no dia 15 de novembro.
Telefax: (41) 3423-2020
Home-page: www.rederocio.com.br
E-mail: santuarocio@uol.com.br

Festa de São Benedito - Lapa e Paranaguá
Padroeiro de diversas cidades brasileiras, no Paraná, é festejado em vários locais entre os quais destacam-se as cidades da Lapa e de Paranaguá. São Benedito, um santo considerado muito milagroso é tido como protetor das gestantes. A festa se realiza em sua honra no dia 26 de dezembro.
Home-page: www.lapa.pr.gov.br - www.paranagua.pr.gov.br
E-mail: cedet@brturbo.com.br – paroquiansnavegantes@yahoo.com.br

Festa de Nossa Senhora das Brotas - Piraí do Sul
Realiza-se em 27 de dezembro, sendo que o culto a Nossa Senhora das Brotas funde-se com a história do município, na época do tropeirismo e hoje se transformou em uma das mais tradicionais e concorridas festas religiosas do Estado. Confraternização entre a população e visitantes, que acampam nos arredores da igreja. Barracas com bebidas, salgados e diversões, muito churrasco e animada música ao vivo, fazem parte dos festejos populares, que são complementados por missas e grandiosa procissão.
Bosque de Nossa Senhora das Brotas.
Telefax: (42) 3237-1440
E-mail: nsbrotas@uol.com.br

Festa do Divino Espírito Santo - Guaratuba

A fé ao Divino Espírito Santo remonta ao século XIII em Portugal, onde era invocado para defender o território dos terremotos, maremotos e vulcões.
A festa foi trazida ao Brasil provavelmente no século XVIII pelos açorianos e no sul a tradição misturou-se à cultura caiçara, enriquecendo as manifestações populares.
Na ritualística da Igreja Católica, também é conhecida como Festa de Pentecostes, como uma homenagem em que é comemorada a presença do Espírito Santo entre os apóstolos, 50 dias após a Páscoa.
Conta a história, que em Guaratuba, a imagem do Divino Espírito Santo foi oferecida à cidade, por Força Divina, que a entregou, para que um devoto a guardasse.
Depois de banhada na Fonte do Itororó, foi recolhida à Igreja Matriz Nossa Senhora do Bom Sucesso. O Divino Espírito Santo é festejado no município, todos os anos, na segunda quinzena do mês de julho.
A festa, que reúne milhares de fiéis de diversas cidades do estado e do país, é previamente anunciada pelas Bandeiras – branca e vermelha. A bandeira branca representando a Santíssima Trindade e a vermelha o Divino Espírito Santo, que saem dois meses antes da realização da festa, pelo interior do município, visitando todos os sítios e povoados distantes acompanhadas de quatro foliões, recebendo donativos.
Home-page: www.guaratuba.pr.gov.br


ROTEIRO RELIGIOSO

Rota de Peregrinação Fé na Estrada - Lunardelli/Apucarana
Telefax: (43) 3422-3000
Home-page: www.apucarana.pr.gov.br
E-mail: turismo@apucarana.pr.gov.br


Recomendar esta página via e-mail: